31 agosto, 2007

IR A ZEROS

Todo o sofrimento, guerra, fome, azares... Todos esses acidentes, guerrilhas, e tormentos que fazem o Homem sofrer hoje em dia têm uma razão de ser.

O ser humano só tem capacidade de ir a zeros, sem defesas, sem resguardos, quando está no centro da fragilidade, no centro do sofrimento.

É nessa altura que os humanos sentem o uno, a unidade, o Ser e o não Ser ao mesmo tempo. É nessa altura do zero absoluto, quando tudo o que pensaram ser, já não é. Quando tudo o que pensavam ter, já não é também.

Nesse momento, dá-se uma transfusão. Nesse momento a energia cósmica, com a sabedoria plena do universo, encontra espaço para entrar. Lembra-te sempre, o espaço que ocupa o ego, pode ocupar a alma. O espaço é o mesmo. A escolha é tua. Esse zero absoluto que mora no sofrimento, esse nada constante, está preparado finalmente para receber um conceito mais sofisticado de energia. A luz, a iluminação.

É nessa altura que a energia do ser toca a energia do céu. É aí que se dá toda a transformação. É na perda, na perda absoluta que se dá a transformação. Nessa altura a luz entra, entra verdadeiramente pela parte que tem de entrar, pela porta da kundalini, pelo chacra da coroa. E as coisas começam realmente a fazer sentido.

Tudo o que tinhas já não é. O que de virá de novo?

A tua consciência agora aceita as várias possibilidades que a vida te oferece, e não as únicas possibilidades que te agradavam, como até agora. A tua consciência começa agora a funcionar, começa agora aceitar, coisa que o antecessor à luz, o ego, se recusava fazer. É nesta altura que acontecem as grandes catarses. No meio do zero absoluto, no fundo do caos, no não-medo. E depois disto passado, depois de tudo estar balizado, começa o processo de paz.

Este Jesus Cristo Que Vos Fala, Livro 3/ A Era da Liberdade, Alexandra Solnado

3 comentários:

Cristina disse...

Olá! Aqui estou,de férias,contra-corrente... E vejo o n/ (?) cantinho renovado, tenho de dizer qualquer coisa!Está talvez menos obviamente feminino, mais etéreo...Gostaria da letra um pouco mais "bold".
O tema: acho que o percebo, pelo menos até ao ponto em que as contrariedades abrem portas para crescer. É, pelo menos, um tempo de novas oportunidades! Por muito que difícil que seja...
Beijos a todas!

Manuela disse...

Boa! Estava a ver que o Clube das Mongas só tinha 3. Mongas, claro!

Pois, a letra já está bold. É fácil mudar...

O tema: essa parte é mais difícil...

Jufas

Paula disse...

Este tema dá k pensar.
Mas é bom pensar nele e refletir.


Olha já temos outra no blog!!!!! e ké das outras nem de ferias têm tempo........va lá MONGAS