03 maio, 2008

Ida ao Porto -parte III

Estivemos na exponor até às 14h,mais ou menos...andamos a coscuvilhar tudo de trás para a frente e da frente para trás...resolvemos sair para ir almoçar.
Mais umas voltinhas para encontrar um restaurante decente para comer,....domingo muitos estavam fechados...passamos na Av. e alguém viu uma cervejaria,estacionamos o carro no parque e lá fomos nós almoçar...entramos na cervejaria e tinha aquele cheirinho à antiga cervejaria....pedimos 3 francesinhas e 3 cervejas pretas...não tivemos direito a mais nada, nem uma côdea de pão....estando eu com a bexiga cheia lá fui ao toilette...na expectativa...a ASAE ainda não tinha passado por lá....
Comemos, telefonamos ao outro que nos comunicou que tinha bilhetes para ir ao cinema às 16h e nós com cara de parvos tivemos que nos aguentar e fazer tempo.
Fomos beber café, ao café mais abaixo que era todo "xpto",cada café 1€,mas os empregados muito simpáticos, todos bem fardados,dois pires só para uma chávena e ainda musica ao vivo no piano...este sim valeu a pena.
Estivemos á conversa e a outra lembrou-se que na R. de S. Catarina havia uma pastelaria que tinha uns russos (bolos) muito bons...lá fomos à procura dos russos...caminhando pela rua...dirigiu-se a mim um homem que me pediu emprestado dinheiro para comer uns pastéis que depois pagava....
Mais à frente um homem queria fazer as nossas caricaturas,seguindo a pastelaria estava fechada...percorremos mais umas ruas à procura de pastelarias que tivessem russos...fomos abordados por um miúdo que tinha uma granda lata,perguntou à minha irmã se era estrangeira ou portuguesa,porque tinha uma cor de cabelo fora do normal...e umas coisas penduradas na cabeça (rastas e tranças)...ela respondeu-lhe que era portuguesa e que éramos de Lisboa ;apresentou-se disse que era o Ricardo,pediu para dar dois beijinhos,que tinha 12 anos, andava no 6ºano,que a mãe não tinha possibilidades e ele andava a vender uns porta-chaves feitos por ele para poder comprar um computador.
A minha irmã perguntou-lhe quanto é que era cada um, ao que ele respondeu como eram os últimos 3 fazia 5€. Ela deu-lhe o dinheiro e disse para ficar com os porta-chaves,para vender a outra pessoa,mas ele fez questão de nos dar os porta-chaves que era uma recordação do Porto...com uma grande lata e descontracção disse que a minha irmã devia ter lá para os 30 e tal anos(não devia estar a ver bem...) e que nós éramos fixes.
Lá continuamos a descer a rua e a comentar o que se tinha passado e a rirmos à gargalhada...

3 comentários:

Nela disse...

A vossa ida ao Porto deu pano para mangas... hum!

Eles, de facto, são esquisitos...! os nortenhos, quero eu dizer.

mike disse...

Fossem mas é ao Atrium Café, as melhores francesinhas do Norte, em Barga

Paula disse...

Mas esta ida ao Porto fica marcada.
A historia vai continuar n ficamos por aki....


Porto grandes aventuras!!!!!!


Bjfs